SEJA BEM VINDO, AMIGO (A)*****************ESTE É O BLOG: MIGUEL JR ARTS*************************************************************************************************************************SEJA BEM VINDO, AMIGO (A)*****************ESTE É O BLOG: MIGUEL JR ARTS*************************************************************************************************************************
Contador Grátis Miguel Souto: THE WALKING DEAD - Crítica

Quem sou eu

Minha foto

Radialista, nascido em Aracaju-Se, estudante de administração, amante da astronomia - vê na Ciência/Cosmologia o meio para a resposta da maioria das grandes questões. Compositor que também desenha, e além disso, escreve roteiros e cria outras coisas. Ateu, empático, pacifista. Apaixonado por rock, música eletrônica e filmes, sobretudo de ficção. Autodidata, obsecado por conhecimento.

MINHAS ANIMAÇÕES

Loading...

sábado, 10 de agosto de 2013

THE WALKING DEAD - Crítica

Sinopse e dados ténicos:

The Walking Dead - acompanhamos um grupo de sobreviventes fugindo e lutando contra zumbis.  Muito susto, drama, sangue, belas maquiagens, alguns efeitos visuais muito bem trabalhados e mordidas sem piedade. 



Pegamos carona com o ator Andrew Lincoln que interpreta Rick Grimes, um vice-xerife, que ao acordar de um coma, descobre que o mundo está dominado por mortos-vivos, e sai em busca de sua família.  A série é desenvolvida por Frank Darabont, baseada na série de quadrinhos de mesmo nome por Robert Kirkman, Tony Moore e Charlie Adlard.  

Curiosidades: Estreou no dia 31 de outubro de 2010, no canal AMC, EUA. A maquiagem de efeitos especiais foi feita pelo renomado Gregory Nicotero. 

Crítica: 

Apesar de muitas vezes o excesso de diálogos e drama (em alguns episódios tem muita conversa e pouca ação), a série é fantástica - a maquiagem, efeitos de projéteis nos crânios, sustos e dilemas são demais. Você não sabe quem vai morrer a seguir, e apega-se facilmente aos personagens. 

No último episódio da primeira temporada (1×06 Beside the Dying Fire -Season Finale) há a explosão de um prédio, e optaram por uma tomada totalmente digital. Dado o investimento na produção, fiquei abismado com o resultado (a explosão ficou rudimentar, similar a animação amadora de baixo orçamento) - deveriam utilizar uma miniatura real, no mínimo.  Adoro efeitos computacionais, porém jamais conseguirão substituir a imperfeição da realidade. Os dois devem se complementar.

No geral a série lembra, na minha opinião, os filmes Resident Evil (na minha concepção, falou em zumbis, a referência padrão é esse filme). Recomendo. Aguardando ansioso agora (agosto de 2013) a quarta temporada. 

Texto e pesquisa: Miguel Jr Arts

Imagem: Divulgação Net

Um comentário:

  1. não é necesario mostrar cenas de decapitação ou enforcamentos também cenas de pessoas sendo despedaçadas , estas cenas não faz bem à nossa memória ja que fica tudo armazenado ´la. o horror deve ser os zumbis e não o humano! acaba sendo prejudicial ver tanto sangue humano como se fosse a coisa mais natural do mundo , não é, pois o sangue é a vida da pessoa . conheço pessoas que ficaram perturbadas com tais cenas , pois são cenas que acontece na realidade das penitenciarias . e sabemos é horriveis e desumanas ! devem pegar mais leve e não espalhar tanto horror dentro das mentes das pessoas! pois mesmo sendo uma mentira , as cenas acabam trazendo danos a nossa mente.

    ResponderExcluir

Amigo(a), sua opinião é relevante. Esse espaço é todo seu. Críticas, retificações ou ratificações são sempre bem vindas. Não utilize, porém, palavrões ou depreciações. Obrigado.